domingo, 20 de maio de 2012

? Educação Musical Terapêutica?




   O ser humano é naturalmente musical. O homem tem necessidade inerente de música. A Musicalização ou Educação Musical por sua vez é tarefa da escola.
   Ocorre muitas vezes que pessoas que não tiveram a sorte de serem musicalizadas no período escolar, ou nem escola tiveram oportunidade de freqüentar, têm receio de buscar praticar essa maravilhosa fonte de bem estar, de alegria e de saúde que é a música. São receios de vários aspectos derivados do pré-conceito estabelecido na sociedade. Por isso existem muitos adultos que adoram música que dizem que tinham o sonho de aprender a tocar piano, violão, mas que o tempo para isso já passou:

"... música é para aprender na infância..."  dizem melancólicamente.

   Essa assertiva não é uma verdade completa! Na infância tudo é, ou parece ser mais fácil: a neuroplasticidade é intensa nessa época da vida , limitando-se bastante após a adolescência. Porém devemos levar em consideração que a criança tem mais tempo disponível, não tem preocupações de outra ordem nem responsabilidades comuns ao adulto. A criança não tem ainda um ego inflexível, portanto não sente “vergonha” nem tem tanta vaidade como é comum numa personalidade desenvolvida.

   Quando um adulto vence seu “receio” de procurar uma escola ou uma professora de música via de regra pergunta: “Será que na minha idade eu posso estudar um instrumento?”

Não só pode como deve!

  Nenhuma experiência se compara ao prazer de concretizar desejos antigos.

Traz paz ao espírito e a alma agradece.

   É importante lembrar também que o aprendizado musical ajuda a melhorar aspectos cognitivos, físicos , psicológicos, emocionais e espirituais do ser humano. Desenvolve a inteligência, o raciocínio e a memória; desenvolve a criatividade, a coordenação motora, a socialização e muito mais.

   Tudo isso dá satisfação interior e aumenta a qualidade de vida. Portanto, podemos afirmar com segurança que muitas vezes a educação musical é também altamente terapêutica.